Trabalhando com a diversidade. 

 

“Introduzir uma criança nas instituições, na sociedade e na cultura como “aquele Down, é priorizar o registro orgânico, em detrimento de sua expressão subjetiva, amputando sua singularidade. É promover sua alienação a uma concepção fixa, tomada como sua verdade, é torna-la débil. É debilita-la das potencialidades de ruptura e expressão de sua diferença. Por tudo isso insistimos na importância de não priorizarmos o diagnóstico médico para o planejamento de nossas práticas.” (Senra, Mello, Lima, Amaral, Pilar)

Em janeiro, com muita felicidade, fizemos as primeiras oficinas de artes mediadas do EMI. Foi uma feliz experiência. Nessas oficinas, pudemos promover encontros com as artes em um espaço de experiência coletiva através de diferentes linguagens. A proposta principal era brincar junto e construir produtos desse encontro de forma prazerosa. O espaço possibilitou a criação de novos laços entre as crianças que participaram e também entre nós, adultos mediadores, e elas.

No momento da inscrição, enviamos para as famílias interessadas uma ficha pedindo que nos contassem um pouco sobre seus filhos, falassem de suas potencialidades, dificuldades e interesses; e o que mais achassem importante dividir conosco. Foi uma boa surpresa quando essa fichas retornaram sem que o foco da escrita estivesse em um diagnóstico que eles pudessem ter. Recebemos relatos sobre quem eram esses meninos e meninas, com indicações sobre o que gostavam de fazer, no que tinham dificuldades e facilidades. Pistas que nos ajudaram a pensar as oficinas, pois para preparar as atividades pouco importava o diagnóstico, queríamos saber um pouco sobre o sujeito com quem iríamos nos encontrar para que pudéssemos pensar propostas em sintonia com as singularidades de cada um deles.

Como é característico do que entendemos como um espaço inclusivo, pudemos oferecer atividades diversificadas, e formas diferentes de apresentar ou realizar cada brincadeira. Obviamente, nenhuma das crianças presentes fez a mesma coisa da mesma forma, mas isso é que foi genial e é essa expectativa que temos para o funcionamento escolar: um espaço onde todos podem trabalhar em cima de um mesmo tema, por vezes com o mesmo material ou na mesma atividade, mas não necessariamente da mesma forma ou no mesmo tempo.

O ano começou, ainda não sabemos como a LBI irá repercutir nas escolas brasileiras, e nos demais espaços coletivos. Mas precisamos registrar aqui que a nossa experiência de janeiro nos mostrou como cada atividade, cada material comporta em si inúmeras possibilidades de trabalho. O quanto a diversidade é rica e como ela nos convoca a oferecer, em um ambiente coletivo, diferentes formas de acessar as atividades propostas, e a necessidade das relações se darem com respeito e parceria. O caminho? Dar espaço para a diferença.

Que venham outras oportunidades!

Anúncios

Como a situação de “inclusão” beneficia a escola “regular”

Crianças em situação de inclusão trazem consigo tantas pluralidades de funcionamentos que produzem verdadeiras revoluções cotidianas. Elas nos desafiam a repensar as estruturas e funções já dadas para as coisas existentes, impedindo que se conservem sempre da mesma forma.

Ao serem elas mesmas uma variação de funcionamentos, produzem o alargamento na concepção do que é ou não possível. Como efeito, um movimento de expansão se espalha nas escolas no encontro com a diferença.

O aluno João (nome fictício), de 5 anos, tem dificuldades motoras. Correr, para ele, é uma experiência diferente do que é para outras crianças. Certa vez, um amigo de João foi flagrado brincando de pique com ele de um modo diferente. Corria atrás dele devagar para que João também pudesse experimentar o lugar de ser pego. E João, empolgado, em seguida, corria atrás dele para pegá-lo, em seu próprio ritmo. Os dois se divertiam muito, inaugurando um universo próprio, dotado de outras regras, ritmos e acordos, num nítido movimento não de aceitação da diferença, mas sim de tornar-se diferente. Essa modalidade de brincadeira foi construída por eles, sem que nenhum adulto tivesse ali feito intervenção.

Deparar-se com tal situação, para nós mediadores, é uma experiência vitalizante. Isso porque presenciamos acontecimentos alegres e criativos que se produzem e enriquecem o universo escolar. Novos sentidos são confeccionados através das misturas de funcionamentos diferentes.

Ao presenciarmos a mistura das diferenças, que fazem borrar as fronteiras entre o normal e o anormal, o certo e o errado, temos a experiência de que as escolas “regulares” se beneficiam no encontro com a situação de “inclusão”. E assim, a escola se renova, se repensa, se reformula, fazendo caber nela mais alunos; torna-se um espaço mais plural. O poeta Manoel de Barros nos dá pistas disto afirmando que precisamos “perder a inteligência das coisas para vê-las”.

Agressividade – um bolo tem muitos ingredientes.

Temos esbarrado com a temática da agressividade no cotidiano de nosso trabalho – alunos agressivos com seus pares e com os adultos na escola. Paralelamente, vivemos um cenário onde a medicalização da vida torna-se um imperativo que põe de joelhos muitos campos de saberes, inclusive o da educação. Assim, nosso desafio é pensar a agressividade que vem se manifestando no cenário escolar sem aceitar a tendência de catalogá-la em transtornos que, muitas vezes, reduzem uma expressão complexa a um único par “diagnóstico-remédio”. Para além disso, como pensar e intervir de modo ético nesse contexto que implica a todos nós?

Certamente, estamos tratando de uma temática extensa e delicada e, portanto, não pretendemos esgotá-la. Queremos apenas nos servir da inquietação e angústia que ela nos causa para disparar algumas questões, recusando toda tentativa de simplificação desta expressão.

Temos percebido tentativas de apaziguar qualquer movimento de perturbação no espaço escolar que se apresenta supostamente uniforme. Muitas vezes essas tentativas se dão através do controle dos sintomas no corpo do aluno, sem que haja uma escuta honesta aos elementos contidos dentro dessa manifestação.

Se queremos fugir dessa individualização do problema, o que fazer? Não temos respostas, é verdade. Mas uma coisa nos interessa afirmar: um aluno com um carimbo/diagnóstico, carrega sozinho no seu corpo todo o peso de um problema coletivo. É como um bolo pronto; quando olhamos pra ele, ele nos comunica uma unidade e não aparenta, num primeiro olhar, ser composto por tantos ingredientes.

O que nos comunica essa agressividade? Talvez não se trate de perguntar – esse problema é de quem? – mas de indagar quais elementos forjam a agressividade como forma privilegiada de manifestação de um incômodo sentido por alguns alunos. E que outras formas de agressividade, que não só a do aluno, estão habitando o espaço escolar?

Nossa vivência nas escolas tem nos trazido muitos incômodos, angústias e sobretudo perguntas: que caminho seguir? Afastar o aluno da convivência escolar? Mantê-lo? Brigar? Acolher? Retirar o aluno da sala? Alternar momentos com o grupo e sem o grupo? Negociar? Diminuir o tempo que ele fica na escola?

Nos perguntamos o que será que esse aluno está querendo nos dizer sobre as práticas que temos produzido. Poderia ser a agressividade porta-voz de algo que não está funcionando? Como afirmar a responsabilidade de todos frente ao sofrimento que ele nos comunica? Acreditamos que a agressividade se produz enquanto processo, no encontro entre aquele aluno e aquele espaço (e outros espaços) e não num corpo individual.

Ocupando o lugar de mediadores, temos indagado qual é o nosso papel frente a esses desafios. Nesse momento, sabemos que não somos capazes de lidar com essas questões sozinhos. Entendemos também que é pela via do afeto, do carinho, que temos alguma chance de estar com os alunos; e podemos produzir encontros que não sejam pautados apenas pelo “não”, pois corremos o risco de também sermos agressivos. Apostar em dizer mais “sim”, no brincar, na escuta atenta e na flexibilidade pode ser uma alternativa. Temos nos deparado também com nossos limites. Os limites dos nossos corpos enquanto mediadores; até onde conseguimos intervir e quando precisamos nos retirar e abrir espaço para outras pessoas ocuparem esse lugar.

A lógica da urgência não deixa tempo nem espaço para lançarmos outros olhares sobre os incômodos que aparecem na escola, e estamos perdendo a capacidade de interrogar e estranhar o que está bem embaixo de nossos narizes. Trata-se de algo muito complexo e urge que possamos inventar e construir novos modos de enfrentar esse desafio para que não fiquemos somente no lugar de denunciar ou silenciar.